‘Um gorila’, de Anthony Browne: um livro para primatas

UM GORILA. Para aprender a contar. Anthony Browne
Tradução: Ana Tavares
Um gorila. Para aprender a contar.

À procura de Anthony Browne

Uma das características do livro ilustrado é que a narrativa visual, a textual, o suporte (o formato, o objeto) e o design constroem juntos um único sistema. O equilíbrio desses elementos pode variar. Em geral essas obras têm textos curtos, que podem ser predominantes ou subordinados às imagens. Outras vezes o projeto gráfico é quem domina essa dinâmica. O importante é entender que existe sempre uma equação entre esses elementos, que pode acontecer de formas variadas, mas sempre em páginas duplas, e é aqui que a química acontece.

Um livro ilustrado sempre abre para questionamentos e por isso a releitura se faz tão presente, até mesmo durante o ato de ler.

Muitas vezes nos pegamos descobrindo algo numa página e voltando para a anterior. É nessa descoberta de algo que não havíamos visto que ampliamos nosso repertório e passamos a perceber que não basta olhar, é preciso exercitar e aperfeiçoar essa habilidade.

Os expressivos gibões ilustrados por Anthony Browne

Em cada primata, uma presença

O livro começa na primeira dupla com 1 gorila (viramos a página), 2 orangotangos (viramos a página), 3 chimpanzés… e assim por diante até o 10. A cada dupla temos uma família com primatas, semelhantes entre si, porém nunca iguais. Se passarmos desatentos por elas, todos parecerão iguais, mas se nos apropriarmos do fôlego da virada de página e olharmos um a um, perceberemos que cada um deles tem a sua própria presença.

8 macacos-japoneses e seus pelos cheios de textura
Os mandris e seus olhares tímidos e profundos

Singularidade, diferença e semelhança

Um gorila trabalha com muita delicadeza o sentido de pertencimento, diferença e semelhança, ajudando o leitor a construir, através da narrativa visual, sua identidade, seu modo de existir, pois cada imagem abre uma janela para infinitas possibilidades a partir de um mesmo ponto: o da singularidade. Eu só entendi isso ao me questionar para que leitor é essa obra, uma pergunta que o livro ilustrado nos instiga a fazer: que leitor é esse? Que leitor queremos formar? Que leitor somos nós?

--

--

Desenho gráfico editorial, especializado em livro para a infância.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store